O Festival de Ópera do Theatro da Paz é um evento de abrangência nacional do gênero, com várias atividades de formação e capacitação, e realizado em Belém, capital do Pará, na Amazônia. Criado em 2002, é um dos grandes acontecimentos culturais em ópera no país e na América Latina. O festival já iniciou em abril e se estenderá até dezembro, com várias atividades sociais, culturais e parcerias. A realização é do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult).

O “Da Paz”, como é carinhosamente tratado pela população, é um teatro/templo de arte e cultura do Pará e concentra tanto grandes espetáculos, como dá espaço aos talentos locais, valorizando suas raízes e sua expressão cultural. O festival vem sendo realizado todos os anos, incluindo outubro, mês em que se realiza o Círio de Nazaré – a maior festa religiosa do Norte/Nordeste e uma das mais importantes do país.

Desde sua criação, o Festival já executou 45 óperas e capacitou mais de 300 alunos com sua programação acadêmica e artística, revelando grandes talentos. Em paralelo ao evento, serão realizadas variadas programações, com uma abrangência inédita e social que muito tem a ver com a época de pandemia, em que oportunidades e solidariedade são a tônica em qualquer atividade, principalmente a cultural.

Apresentação

Mensagem do Governador do Estado do Pará, Helder Barbalho

No atravessar dos séculos, a cultura se transforma, seja em seus elementos, seja nos talentos que produz. Nessa trajetória de constante renovação, o que não muda é o poder questionador da arte. É a ela que a humanidade recorre quando sente suas inquietações, enfrenta suas crises ou necessita expressar sua voz interior. Cada época carrega consigo seus desafios e, na atualidade, eles envolvem também a manutenção não só do mundo que conhecemos, como também da nossa própria existência. 

“O ar que respiramos: vozes pela Amazônia” foi o tema escolhido como norte do XXI Festival de Ópera do Theatro da Paz, e não poderia ser diferente. Vivemos em um importante momento de rever nossa relação com o ambiente em que habitamos, de compreender que tudo é finito e que carece de ser preservado com todo cuidado e respeito. E a Amazônia, nosso lar, nossa casa, ocupa e deve mesmo ocupar um lugar de protagonismo nessas discussões tão urgentes e necessárias.

Esse mesmo ar, que é vida, sopro, é ao mesmo tempo a alma do canto. É ele que preenche os pulmões e faz ecoar as vozes que ressoam pelos palcos e transcendem nossos espíritos. Nesse sentido, a XXI edição do nosso grandioso festival se conecta ao movimento internacional de proteção às florestas e aos povos tradicionais que aqui vivem, com a missão de ser um ecofestival e fortalecer as iniciativas que defendem o equilíbrio ambiental e climático do planeta.

Que esta edição seja o primeiro passo para uma reconexão com os elementos que nos cercam, nos preenchem e nos dão vida. Nosso futuro enquanto humanidade depende do que vamos fazer a seguir. Comecemos agora

Mensagem da secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal

As páginas da história de 144 anos do Theatro da Paz vem sendo escritas de maneira reverente, cerimoniosa e coletiva, em dinâmicas permanentes de preservação do patrimônio arquitetônico e de fruição da criatividade artística no Pará. 

E o fazer cultural ganha dimensões mais profundas e transformadoras quando desenvolve suas práticas e saberes em construções que carregam este valor: o labor coletivo.

A Ópera e sua magia tem esse condão – se alimenta do universo simbólico e inventivo das sociedades, através dos séculos, e apresenta no palco o resultado do operoso trabalho de um exército de profissionais do canto lírico, da dança, da orquestra, da cenografia, do visagismo, do figurino e da cenotécnica.

Fomentar a qualificação destes operários da arte  tem sido uma das mais importantes missões de Nosso Festival de Ópera do Theatro da Paz que vem incorporando, a cada edição, práticas de inovação, parcerias e inclusão social no escopo de suas atividades. Acumulamos muita experiência na produção de conteúdo virtual e hoje disponibilizamos ao público na plataforma do Festival um belíssimo repertório de aulas, seminários e obras executadas. Avançamos de maneira crescente na qualificação de técnicos e cantores líricos e agora vamos aprofundar esse programa formativo num modelo mais acadêmico. 

A consolidação do Corredor Lírico do Norte, formalizado entre as Secretarias de Cultura do Pará e do Amazonas fortalece o movimento operístico como atividade cultural relevante na geração de emprego e renda e na otimização de nossos investimentos, proporcionando uma atuação de maneira planejada e integrada entre os Teatros membros. Ainda no terreno das ações colaborativas, nossa parceria com o Sistema Penal já rende frutos que superam a profissionalização. 

Esse ano nosso Festival já traz na equipe pessoas formadas dentro do cárcere, que agora exercem a liberdade conquistada com empregabilidade garantida.

Para além da beleza e do encanto da forma, trabalhamos para que nosso Festival de Ópera do Theatro da Paz mantenha sempre o compromisso com a justiça social em seu conteúdo. É, mais uma vez, a arte escrevendo com as tintas do amor e do compromisso a história de sua gente, seu tempo e seu lugar.

Mensagem do diretor do XX Festival de Ópera do Theatro da Paz, Daniel Araújo

Ao longo dos três últimos anos o Festival de Ópera do Theatro da Paz manteve grande reconhecimento a nível nacional e ampliou seu alcance internacional, não apenas pela qualidade das produções, como pelo formato inovador e criativo desenvolvido em decorrência da pandemia de Corona Vírus, que afetou profundamente todo o setor artístico e cultural. O Festival trouxe um novo conceito de trabalho, com a proposta de expansão do formato “festival” para “temporada”, onde a programação se estende ao longo do ano; com investimento na capacitação de técnicos de teatro e artistas paraenses através de cursos de formação em ópera; e com a criação do projeto de extensão Sons de Liberdade, realizado em parceria com a SEAP, nas unidades prisionais do estado.

Durante a pandemia, o Theatro da Paz foi o único teatro-monumento do país que não interrompeu suas atividades artísticas, sendo pioneiro em migrar para o formato virtual e demais plataformas tecnológicas. Com esta nova proposta o Festival manteve sua notoriedade e ampliou o alcance de suas ações, o que despertou o interesse de entidades públicas e privadas em nível nacional e internacional como: Núcleo de Ópera da Bahia, Festival Amazonas de Ópera, Centre de Musique Baroque de Versailles – CMBV (França) e algumas embaixadas, a exemplo da austríaca, francesa, estadunidense e libanesa. Com o Núcleo de Ópera da Bahia apresentou, em janeiro, a Ópera dos Terreiros, abrindo a temporada 2022 do Festival. Com o Festival Amazonas de Ópera, será lançado o Corredor Lírico do Norte, um projeto inovador de coprodução artística na região amazônica. Em nível internacional, haverá uma parceria com o CMBV, dentro do projeto de estruturação da futura Academia de Ópera do Theatro da Paz. Por fim, algumas embaixadas mostraram-se interessadas em patrocinar algumas ações do projeto Festival de Ópera.

A grande novidade do XXI Festival de Ópera do Theatro da Paz será a criação da Academia de Ópera do Theatro da Paz, que permitirá aos cantores e técnicos colocarem em prática os conhecimentos adquiridos nos últimos três anos de formação, dentro de um ambiente pedagógico sistematizado. Ressalte-se, ainda, que desde o I Curso de Formação em Ópera todas as alunas e alunos receberam bolsas de estudo em suas respectivas áreas e que dos 40 técnicos do III Curso de Formação (2021), 12 foram contratados para trabalhar nas Usinas da Paz, dentro do Projeto TerPaz, e os 40 cantores líricos paraenses, também alunos do III Curso de Formação, farão parte das atividades artísticas do Festival 2022 em alguma de suas produções. Este ano, após sua criação, a Academia irá trabalhar com 25 cantores e realizará suas atividades de abril a dezembro. Dentre os projetos da Academia para o ano de 2022 estão a produção da ópera barroca francesa Armide, de Jean-Baptiste Lully, com o CMBV. A produção dos figurinos, objetos cênicos e cenários da ópera Armide, assim como de As Bodas de Fígaro, será realizada em parte pelas custodiadas e custodiados do projeto Sons de Liberdade.

O projeto Sons de Liberdade tem chamado atenção pela proposta inovadora de capacitação de mão-de-obra especializada para a produção de ópera, visando a reinserção dos indivíduos atendidos no mercado de trabalho da economia criativa. A Embaixada da Áustria acenou com o patrocínio de parte do orçamento deste projeto. As oficinas de capacitação deste projeto serão ministradas de março a novembro de 2022.

Acompanhe as nossas redes sociais